O que é um Hypervisor para Virtualização Profissional

Revisão de 15h29min de 19 de abril de 2021 por Paulo Fernando Vedovatto (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

O que é o hypervisor ou VMM (Virtual Machine Monitor - Monitor de Máquina Virtual)?

Hypervisor ou VMW é uma camada entre o Hardware e o Sistema Operacional.

Originalmente lançados no início da década de 1970 possuem a principal intenção de reduzir custos onde se consolidavam vários computadores de diferentes departamentos da empresa em uma única grande máquina —o mainframe— capaz de servir a múltiplos setores.

Ao correr múltiplos sistemas operacionais de uma vez, o hipervisor permite uma consolidação dando robustez e estabilidade ao sistema. Uma de suas vantagens é o fato ainda que um dos sistemas operacionais colapse, os outros continuarão trabalhando sem falhas.

O hypervisor é responsável pela criação de novas VM's e também por fornecer ao sistema operacional visitante a abstração da máquina virtual. É o hypervisor que controla o acesso dos sistemas operacionais visitantes aos dispositivos de hardware compartilhando virtualmente seus recursos como memória, disco e processamento.

É interessante ressaltar que o VMM não executa em modo usuário, pois é ele que deve executar, ou simular a execução, das instruções privilegiadas requisitadas pelo sistema operacional visitante.

Geralmente, existem dois tipos de hypervisors. Os hipervisores de tipo 1, chamados “bare metal" e os hipervisores de tipo 2, chamados “hosted”, abaixo uma pequena explicação sobre ambos:


BARE METAL:

Nessa modalidade o hypervisor tem contato direto com o hardware. A imagem abaixo simplifica a ideia.

Hyp4.PNG


Aqui temos a seguinte “sequencia”: HARDWARE > HYPERVISOR > MAQUINAS VIRTUAIS, ou seja, a virtualização bare metal está executando um sistema operacional virtual na parte superior de um hipervisor (uma plataforma na qual vários sistemas operacionais virtuais podem ser executados), que fica bem em cima do hardware. Os Virtualizadores Citrix XenServer, Hyper-v, Proxmox e VMWare ESX Server são exemplos de soluções virtuais bare-metal.


Obviamente, a vantagem para o bare metal é que ele é mais rápido e eficiente, sendo que o sistema operacional tem apenas dois níveis acima do hardware físico. Algumas outras vantagens do bare-metal são a escalabilidade, os recursos corporativos e a alta disponibilidade do data center. As desvantagens das soluções bare metal são que as boas não serão gratuitas e não serão executadas em estações de trabalho de usuários. Essa é a opção mais indicadas a meio empresarial ou crítico.


HOSTED

Na arquitetura de virtualização hosted, o monitor da máquina virtual (VMM) é instalado diretamente sobre o sistema operacional. Segue imagem representativa:

Hyp3.PNG

Aqui temos a seguinte “sequencia”: MAQUINA VIRTUAL > VMM > SISTEMA OPERACIONAL DO HOST > HARDWARE. Neste caso o sistema operacional virtualizado irá ser executado sob o sistema operacional do host que, está operando no hardware físico.

As vantagens das soluções de SO hospedadas são que elas geralmente são software livre e podem ser executadas em estações de trabalho de usuários. Existem muitas desvantagens nas soluções de SO hospedadas. Isso inclui as licenças do SO necessárias, é mais lento do que as soluções bare metal e os recursos corporativos são limitados.


VANTAGENS E DESVANTAGENS DE UTILIZAR HYPERVISOR

Segue abaixo algumas das principais vantagens e desvantagens de se ter um hypervisor em seu servidor:

VANTAGENS

  • Gerenciamento centralizado;
  • Instalações simplificadas sendo possível efetuar a instalação de um novo SO em questão de minutos;
  • Facilidade para a execução de backups;
  • Suporte e manutenção simplificados;
  • Acesso controlado a dados sensíveis e à propriedade intelectual mantendo-os seguros dentro do data center da empresa;
  • Migração de servidores para novo hardware de forma transparente;
  • Maior disponibilidade e mais fácil recuperação em caso de desastres;
  • Compatibilidade total com as aplicações;
  • Economia de energia elétrica utilizada em refrigeração e na alimentação dos servidores;
  • Segurança: Usando máquinas virtuais, pode-se definido qual é o melhor ambiente para executar cada serviço, com diferentes requerimentos de segurança, ferramentas diferentes e o sistema operacional mais adequado para cada serviço. Além disso, cada máquina virtual é isolada das demais. Usando uma máquina virtual para cada serviço, a vulnerabilidade de um serviço não prejudica os demais;
  • Confiança e disponibilidade: A falha de um software não prejudica os demais serviços;
  • Custo: A redução de custos é possível utilizando pequenos servidores virtuais em um único servidor mais poderosos;
  • Adaptação às diferentes cargas de trabalho:A carga de trabalho pode ser tratada de forma simples. Normalmente os softwares de virtualização realocam os recursos de hardware dinamicamente entre uma máquina virtual para a outra;
  • Balanceamento de carga: Toda a máquina virtual está encapsulada, assim é fácil trocar a máquina virtual de plataforma e aumentar o seu desempenho;
  • Suporte a aplicações legadas: Quando uma empresa decide migrar para um novo Sistema Operacional, é possível manter o sistema operacional antigo sendo executado em uma máquina virtual, o que reduz os custos com a migração. Vale ainda lembrar que a virtualização pode ser útil para aplicações que são executadas em hardware legado, que está sujeito a falhas e tem altos custos de manutenção. Com a virtualização desse hardware, é possível executar essas aplicações em hardwares mais novos, com custo de manutenção mais baixo e maior confiabilidade;
  • Melhor aproveitamento do espaço físico: menos dispositivos físicos instalados maior o espaço disponível em racks;
  • Melhor aproveitamento do hardware: com o compartilhamento do hardware entre as máquinas virtuais reduz-se a ociosidade do equipamento sem contar que cada VM possui um hardware independente;
  • Simulações: Com as máquinas virtuais é possível simular redes inteiras, inclusive redes heterogenias;
  • Pode-se utilizar sistemas operacionais que não possuam compatibilidade com o hardware, utilizando os recursos de virtualização de hardware. Possibilitando assim testes ou até mesmo economia com a compra de hardware de menor custos;
  • Redução do downtime;
  • Facilidade ao migrar ambientes: evita reinstalação e reconfiguração dos sistemas a serem migrados;
  • Utilização de uma VM como ambiente de desenvolvimento: possibilita testes em SO’s distintos e, por prover um ambiente isolado, evita que falhas na configuração e/ou execução, ou até mesmo vírus, danifiquem o hardware da máquina;

DESVANTAGENS

  • Grande uso de espaço em disco, já que é preciso de todos os arquivos para cada sistema operacional instalado em cada máquina virtual;
  • Dificuldade no acesso direto a hardware, como por exemplo placas específicas ou dispositivos USB sendo necessário uma especialização para administração de servidores;
  • Grande consumo de memória RAM dado que cada máquina virtual vai ocupar uma área separada da mesma;
  • Segurança: As máquinas virtuais podem ser menos seguras que as máquinas físicas justamente por causa do seu host. Este ponto é interessante, pois se o sistema operacional hospedeiro tiver alguma vulnerabilidade, todas as máquinas virtuais que estão hospedadas nessa máquina física estão vulneráveis;
  • Gerenciamento: Os ambientes virtuais necessitam ser instanciados, monitorados, configurados e salvos. Existem produtos que fornecem essas soluções, mas esse é o campo no qual estão os maiores investimentos na área de virtualização, justamente por se tratar de um dos maiores contra-tempos na implementação da virtualização;
  • Desempenho: Atualmente, não existem métodos consolidados para medir o desempenho de ambientes virtualizados. No entanto, a introdução de uma camada extra de software entre o sistema operacional e o hardware, o VMM ou hypervisor, gera um custo de processamento superior ao que se teria sem a virtualização. Outro ponto importante de ressaltar é que não se sabe exatamente quantas máquinas virtuais podem ser executadas por processador, sem que haja o prejuízo da qualidade de serviço;


Virtualização Hypervisor segue crescendo cada vez mais devido a todos os fatores positivos que a mesma os proporciona como redução de equipamentos em rack e maior usabilidade de hardware, sendo possível aproveitar ao máximo o uso de seu servidor.

Embora todos os aspectos positivos, o que ainda limita seu uso é o fato de ser necessário especializar-se para estar fazendo uso de forma correta, sem contar que é necessário fazer um estudo antes de implantar essa técnica devido ao impacto que o mesmo gera a TI.

Outro ponto a ser destacado é a forma em como irá aplicar a virtualização em seu servidor se o mesmo será da forma bare metal ou hosted e qual a opção de hypervisor que irá usar. NO mercado hoje existem inúmeras opções de virtualizador tais como: HYPER-V, PROXMOX, CITRIX XENSERVER, VMWARE entre outros, todos com suas particularidades.

Em suma, virtualização é uma solução atraente mas que antes de sua total aplicação deve ser avaliada para não haver prejuízos a sua TI já existente, avaliar todos os pontos positivos e negativos e todos os impactos que vão gerar ao seu provedor antes de estar efetuando a implantação.

-

Voltar ao menu Virtualização